Coletivo Tuíra organizou intervenções

Quase 130 trabalhadoras morreram em um incêndio reivindicando direitos trabalhistas em março de 1911. A origem desse dia, no entanto, é reflexo de marços passados. Os anos de 1857, 1908 e 1909 contaram com notáveis manifestações pelos direitos das mulheres. Frente a isso, o Coletivo Tuíra, formado por alunas do Band, organizou intervenções no dia 8 de março.

Antes de começarem as aulas, integrantes do coletivo espalharam fotos de funcionárias do Colégio respondendo a pergunta “O que é ser mulher para você? ”, como forma de dar visibilidade a todas da comunidade Bandeirantes.

coletivo

Alunas do Ensino Médio se reuniram em frente ao Band carregando cartazes com dizeres empoderadores do projeto Flores nas Ruas, passaram batom vermelho, cantaram hinos feministas e disseram pequenos textos sobre o real significado do Dia Internacional da Mulher.

A professora de Português e colaboradora do coletivo, Cátia Pereira, acredita que “Toda forma de luta feminista é válida: visibilidade às mais diferentes mulheres, cantos de união e motivação, frases de incentivo à causa, troca de cartas, encontro para partilha de experiências e reflexão sobre a condição e as conquistas das mulheres. Tudo isso as alunas do Coletivo Tuíra organizaram para o Dia das Mulheres, apenas o começo, sabemos, de um longo e diário caminho de construção de respeito à mulher e desconstrução de paradigmas, conscientemente ou não, depreciativos. Mas seguimos fortes. E juntas. ”.

coletivo2

No período da tarde, o coletivo reiniciou suas atividades com uma reunião para debater mais profundamente a respeito do Dia Internacional da Mulher, discutir diretrizes para esse ano e dar as boas vindas às novas integrantes do grupo.

“Foi maravilhoso e gratificante para mim participar das atividades planejadas pelo coletivo para o Dia da Mulher. Dia 8 é uma data que deve ser dedicada à luta das mulheres e à abordagem de nossas pautas. Foi pensando no significado dessa data tão importante que planejamos atividades durante o dia inteiro e que alcançassem diferentes mulheres do Colégio. Nós visávamos dar visibilidade para mulheres que encontramos diariamente e conhecê-las um pouco melhor, o que, infelizmente, na correria do dia-a-dia muitas de nós ainda não tínhamos tido a oportunidade. Foi trabalhoso planejar as reuniões e fazer a intervenção, porém, assim que vi todas as alunas que se juntaram a nós e comentaram que se sentiram acolhidas e gostaram do nosso espaço, tudo se tornou extremamente gratificante e me motivou a continuar frequentando as reuniões e pensando em novos projetos.”, explicou a integrante Stéphanie Ribeiro.

Por fim, a aluna e integrante do coletivo, Letícia Zuffo, convidou todas as interessadas a participarem do coletivo. “O Coletivo Tuíra está de braços abertos para todas! O nosso intuito é justamente recebê-las para as reuniões, possibilitando trocas de ideias e experiências. Mesmo sem nem saber o que significa feminismo, não tem problema! Pretendemos fazer um espaço para que as meninas se sintam mais confortáveis e consigam ver o feminismo de uma forma diferente, por meio de palestras e conversas para aprendermos cada vez mais sobre esse assunto. ”.