Alunas criam ação de conscientização sobre refugiados no Brasil

Com o intuito de conscientizar os estudantes sobre a questão dos refugiados, Giulia Smith e Isabela Cosin, da 2.a série, criaram o Band&Refugiados. O objetivo da ação é promover eventos durante o ano que possam tanto informar os alunos sobre a situação de refugiados no Brasil, quanto trazê-los para momentos de lazer e troca de cultura.

bandrefugiados

As meninas contam que a ideia para o projeto veio a partir da angústia que sentiram ao ver fotos de barcos cheios de pessoas chegando na Europa, no final do ano passado. Motivadas a ajudar refugiados de alguma forma, elas foram visitar a ONG Cáritas, que recebe quem está vindo para o Brasil. “Foi muito tocante porque eu nunca me imaginaria numa situação como aquela. É impossível saber disso e continuar indiferente”, comentou Isabela.

Com o apoio da professora de Geografia, Regina Mara, elas se propuseram a trazer atividades de conscientização sobre esses migrantes para dentro do Colégio. “ Elas planejaram tudo e quando nós sentamos para conversar, nós percebemos que não era um projeto, mas sim uma ação. Se a ideia é abordar a questão dos refugiados sob diferentes aspectos, porque não levá-la aos projetos já existentes no Band?”, contou a professora.

Para o primeiro evento da ação, as alunas convidaram a psicanalista Ana Gebrim e a advogada Heloísa Miúra para uma palestra informativa. A apresentação contou com explicações sobre a história dos refugiados que chegam em solo brasileiro e também sobre o processo jurídico para regularizar a situação deles a partir do momento em que estão no Brasil.

Já para as próximas atividades previstas para o projeto estão parcerias com a equipe de Educação Física, para promover jogos entre alunos e refugiados, e com a Feira de Ciências, para propor trabalhos sociais que possam ser feitos com refugiados também. “Muitas pessoas estão vindo falar com a gente para falar de contatos e contar histórias, e isso é ótimo. O máximo que a gente conseguir reunir de pessoas para trazer e dividir a cultura deles, melhor”, finalizou Giulia.